Arquivo da tag: liderança

Competências Emocionais Também São Analisadas por Empresas

Já se foi o tempo em que as empresas prezavam apenas por profissionais com sólida formação acadêmica e experiência profissional relevante. Atualmente, diversos pontos de experiências pessoais são levados em consideração e podem até mesmo ser considerados diferenciais em seu currículo e apresentação. Viagens ao exterior (mesmo que por lazer ou estudo), trabalhos voluntários e, principalmente, treinamentos que envolvam competências emocionais chamam a atenção do recrutador e podem ser o ponto que faltava em outro candidato à mesma vaga.

As competências emocionais são pontos importantes para o desenvolvimento da liderança inspiradora e eficaz e faz diferença nos resultados alcançados pela empresa, tanto por cada colaborador em particular como quando analisamos a empresa em si. Com o desenvolvimento de tais atributos os funcionários ficam mais dispostos e produtivos, além de perceberem uma melhora no clima do ambiente de trabalho.

Palestra de liderança faz diferença

Estudos apontam que muitas vezes o problema de produtividade e baixos resultados de uma empresa não está na questão técnica, maquinários e produtos, mas sim, nos funcionários, especialmente os de linha de frente (vendedores e atendentes). Para garantir que o cliente tenha a melhor experiência possível com a empresa, seja fidelizado e até mesmo traga novos clientes, é preciso atenção com o atendimento prestado.

Com um treinamento de atendimento e palestra comportamental, os funcionários mudam sua visão sobre o trabalho e seu papel na empresa. Dessa forma eles passam a produzir mais e melhor, além de trabalhar para que o ambiente de trabalho seja mais agradável e que o cliente seja fidelizado. Em tais treinamentos, a figura do líder é enfatizada e o mesmo deve ser eficaz e inspirador.

Palestra de liderança também é importante

Assim como os colaboradores em geral podem ser melhor aproveitados na empresa após um treinamento de atendimento, os gerentes e chefes devem saber utilizar a liderança a seu favor, sendo inspiradores e admirados pelas equipes. Para que o líder consiga exercer seu papel de comando, é preciso que os liderados o reconheçam como tal e para isso são necessárias algumas competências emocionais.

Para liderar de forma eficaz é preciso saber entender o outro, assumir riscos e responsabilidades, ter empatia e reconhecer erros. Ao acreditar no líder e em suas competências emocionais os funcionários sentem mais liberdade em sugerir mudanças e adaptações, que podem mudar os resultados da empresa e também alavancar sua receita.

Liderança com Foco em Resultados

O presente artigo se propõe a refletir sobre a liderança e sua orientação para resultados. Para tanto, tece-se algumas considerações sobre a definição de liderança, abordando sobre a liderança orientada para a tarefa e a liderança orientada para as pessoas, enfatizando ainda, as características do líder. O debate aqui esboçado tem como foco identificar as potencialidades relativas à liderança de modo a garantir um clima organizacional favorável a um bom desempenho da equipe de trabalho. Logo, enfatiza-se a motivação como aspecto importante no alcance dos objetivos organizacionais. Este estudo bibliográfico aponta que no processo de gestão empresarial deve-se levar em consideração não apenas as tarefas a serem executadas, mas também que os funcionários estejam motivados a executá-las, propiciando assim, concomitantemente o autodesenvolvimento do líder, o desenvolvimento da equipe e o crescimento da empresa.

A concorrência acirrada que as empresas brasileiras vivenciam, exige que elas organizem seus processos, buscando a excelência na qualidade de modo a superar as expectativas de seus clientes, assim ser mais competitivas e garantir seu sucesso e longevidade. Desafios esses que se colocam frente às constantes mudanças decorrentes da globalização e financeirização do capital.

É nesse contexto de reorganização do capital que emerge a necessidade das empresas criarem estratégias de inovação e o reordenamento das atitudes e habilidades da equipe de trabalho em torno do alcance dos objetivos organizacionais. Assim sendo, o papel do líder e a forma de liderança por ele adotada poderá estimular ou não o desenvolvimento pessoal e profissional das pessoas integrantes da equipe de trabalho e impactar positivamente ou negativamente no desempenho e produtividade.

Frente a isso, torna-se importante enfocar a necessidade do líder assegurar um clima organizacional propício ao crescimento das pessoas e da empresa, tendo como pressuposto que na contemporaneidade as empresas devem atuar na condução de questões relativas ao relacionamento humano de modo a impulsionar talentos, criar competências e estimular potencialidades.

Desse modo, a gestão motivacional é fundamental para a sobrevivência da empresa, os líderes devem criar um ambiente propício a todos, para que haja desenvolvimento, trazendo para perto de si todos os componentes de sua equipe e assim observá-los melhor, para melhor dirigi-los.

O presente artigo tem como objetivo relacionar a liderança com os resultados. Para tanto, construiu-se a fundamentação teórico sobre as principais categorias: clima organizacional, liderança e motivação. A metodologia da pesquisa é descritiva, a qual consistiu em pesquisas bibliográficas por meio de livros, revistas e artigos científicos, abrangendo os aspectos determinantes em torno das referidas categorias.

Nestas feições, o estudo em questão é relevante na medida em que fornece subsídios teóricos para a re-condução do processo de liderança no âmbito empresarial em torno do alinhamento entre os objetivos organizacionais e o crescimento pessoal e profissional de sua equipe de trabalho, bem como, contribui na produção científica sobre a temática.

O estudo em questão permitiu evidenciar que as lideranças no âmbito empresarial para o alcance de resultados organizacionais eficazes devem preocupar-se para além da execução das tarefas, isto é, ter como foco central as relações humanas e não somente se centrar nos produtos e serviços, buscando ainda, propiciar um ambiente favorável de modo que haja o crescimento dos funcionários e do próprio líder. Logo, se torna ímpar que a equipe de trabalho esteja motivada.

Ressalta-se que o clima organizacional reflete nos comportamentos dos funcionários, na motivação, bem como na produtividade e na satisfação das pessoas, portanto, o líder deve propiciar condições para um bom ambiente de trabalho, de forma que os funcionários estejam motivados a atingir seus objetivos e empenhem-se em proporcionar o sucesso da organização.

O alcance de resultados favoráveis tanto à equipe quanto à empresa depende da forma da liderança, por este motivo teceu-se considerações sobre a categoria liderança, os estilos e características do líder, sem a pretensão de esgotar esse debate amplo e complexo. A abordagem aqui traçada direcionou-se em enfocar a importância da preocupação da liderança com o capital humano. E, nesta direção a gestão motivacional representa uma estratégia primordial no alcance de crescimento pessoal e profissional da equipe de trabalho e do crescimento empresarial, isto é no alcance de resultados positivos.

Faça Um Curso de Liderança

Não é novidade para ninguém que para se destacar no mercado de trabalho é preciso ter diferenciais. Liderança é um diferencial. Liderança é uma capacidade inata, mas ela pode e deve ser aperfeiçoada. Um bom curso de liderança vai além de embasar teoricamente os profissionais sobre ser líder. Vai proporcionar aos profissionais momentos de reflexão sobre suas práticas diárias, sobre suas atitudes com líder, sobre sua equipe. Esses momentos de reflexão serão tanto individuais quanto coletivos.

Esses momentos de reflexão coletiva que o curso de liderança proporciona são muito importantes, pois vendo e ouvindo experiências de outros líderes os profissionais repensam sua própria prática e muitas vezes encontram soluções para suas dificuldades como líder ou com sua equipe. Os profissionais que fazem ou fizeram um curso de liderança colocam que se tornaram melhores líderes e suas equipes alcançaram melhores resultados com isso. Todos saíram ganhando. As empresas, os próprios líderes e as equipes.

Inspirados no curso de liderança, os líderes passam a realizar esses momentos de reflexão em suas empresas, com suas equipes, e garantem que os resultados são bastante satisfatórios. Para se destacar no mercado de trabalho é preciso empenho e ideias diferenciadas. Mais de uma cabeça pensando juntas certamente fornece melhores resultados. O curso de liderança propõe isso. Propõe e mostra que um líder nada é sem sua equipe e, por isso, ouvi-la, dar valor aos seus pensamentos, é essencial.

Uma equipe sem líder, naufraga e um líder sem equipe, não tem função. Por isso é importante que ambos saibam quais e como devem fazer para exercer com qualidade seus papéis. O curso de liderança dá o norte que o líder precisa para bem orientar sua equipe e caminharem conjuntamente rumo ao sucesso pessoal e profissional.

O curso de liderança te ensina a como lidar com situações inusitadas que acontecem na vida de todo profissional, porem uma pessoa que não tem esse espirito de liderança as vezes não vê a oportunidade naquele momento de se destacar ou conseguir resolver o problema de imediato. Com o curso de liderança você vai aprender a lidar com essas e outras situações que acontecem no seu dia a dia.

Curso de Liderança Está Cada Vez Mais Procurado

O mercado de trabalho está cada vez mais competitivo e os profissionais buscando cada vez mais se especializar para se diferenciar.

Especializações, mestrados e doutorados eram as principais maneiras de obter novos aprendizados e um currículo melhor, porém nos tempos atuais onde tempo é dinheiro, cursos longos têm sido preteridos por uma maior quantidade de cursos de curta extensão, inclusive porque se consegue mais informações e de diferentes áreas.

Curso de liderança, de memorização, de línguas estrangeiras são bastante procurados por pessoas de todas as idades e de todas as áreas. O curso de liderança proporciona para quem já possui essa característica inata, a possibilidade de aprender a lidar com quem também apresente essa característica, bem como moldá-la para melhor usá-la. Os frequentadores do curso de liderança dizem também que é possível qualquer um se tornar um bom líder.

O curso de memorização é bastante procurado pelos estudantes que utilizam as técnicas aprendidas para melhorarem sua capacidade de estudo e assim se saírem melhor em provas, seminários e etc. Os pais que colocam seus filhos nesse curso têm ficado satisfeitos com os resultados apresentados por eles na escola, dizendo que a diferença inclusive nas notas é visível.

Os cursos de línguas são os mais conhecidos e frequentados por pessoas de todas as idades e certamente isso não mudará nos próximos anos e a tendência inclusive é que a procura por eles aumente. Ser fluente numa outra língua é um diferencial para a vida, tanto pessoal quanto profissional, e cada vez mais cedo tem se buscado isso. Vários são os curso que iniciam suas atividades com crianças a partir de 3 anos.

Os pais principalmente tem percebido que proporcionar aos filhos meios para que tenham mais elementos que colaborem na sua formação é uma herança para os filhos.

Portanto, seja qual for o curso que você escolheu (curso de liderança, de línguas, de memorização), seja a qualquer tempo, é sempre investimento e investimento principalmente no ser humano. Que é uma conhecimento que sempre será sempre seu, em qual quer lugar em qual quer situação aquilo lhe pertence e ninguém pode tirar de você.

Criatividade e Liderança na Educação

Entre os requisitos que estão pedindo as grandes empresas aos aspirantes a ocupar os mais importantes postos já não são um amplo currículo, altas qualificações nem os estudos nas melhores universidades. O que estão pedindo é criatividade, a liderança, visão, o mesmo que se precisa para escrever uma boa monografia ou realizar um projeto de pesquisa com qualidade.

Infelizmente, estas matérias não são oferecidas nas universidades. A ausência destas matérias contribui em grande parte para incrementar o desemprego dos formados das universidades. O tempo que nos tocou viver é altamente dinâmico, tudo se move, tudo muda de um dia para outro, mas a educação que recebem os estudantes é paralisante. Somos “educados” com informação que dentro de cinco anos será obsoleta. O mesmo se dá, muitas vezes, em monografias acadêmicas, em que o que o aluno-autor desenvolveu sofrerá de desatualização em pouco tempo.

Que sentido tem estudar informação que não terá nenhuma utilidade? Ou escrever pesquisas monográficas que não serão divulgadas ou que somente servirão para empoeirar estantes. Dá-se excessiva importância aos dados, quando a importância reside na criação desses dados. Privilegia-se a informação e se deixa de lado a criação dos dados. A informação por si só não contribui para a formação dos homens e mulheres que sejam capazes de resolver os problemas que serão apresentados no futuro não muito longínquo.

Algo que deveria ser enfatizado é a observação, a proposta dos problemas que tem o estudante e, obviamente, a solução dos mesmos. Isto implica na criatividade, já que é o recurso para resolver os problemas de uma maneira original, em todos os sentidos, desde a pesquisa para o tcc ou a redação do currículo, a escolha do estágio profissional ou a seleção do ramo em que irá atuar no mercado trabalhista. Nenhum estudante tem os mesmos problemas que os outros, portanto, requererá soluções diferentes. Aí é onde entra a criatividade pessoal. A maior parte dos estudantes de todos os níveis estuda de acordo com os planos e programas estabelecidos por alguns quantos acadêmicos que determinam o que os estudantes devem estudar.

Não importa as diferenças que existem entre os alunos, os planos e programas são desenhados como se todos fossem os mesmos. As inquietudes, as aspirações, os problemas não são levados em conta. E o mesmo recai na escolha do tema monográfico ou da dissertação de mestrado: o aluno não exerce suas verdadeiras capacidades para escolher sobre o que irá escrever, mas aceita as imposições dos outros: do professor orientador, da sociedade, até mesmo da família. As autoridades, os diretores e os professores assumem o que os estudantes devem saber e implicitamente assumem que os estudantes não sabem. Existe alguém que saiba absolutamente tudo o que os outros devem saber?

Uma criança de seis anos que chega pela primeira vez à escola já tem muita informação em sua mente, a essa idade tem muitas mentiras com as quais opera em sua muito pouca idade. Quando chega à escola o professor assume que não sabe nada, certamente não sabe ler nem escrever, mas isso não quer dizer que não tem uma determinada maneira de ver a vida, já tem sua própria cosmovisão, seu ponto de vista muito particular a respeito da vida. O problema é que ainda não pode articular com palavras esse ponto de vista.

O professor inicia sua instrução a partir do zero. Para isso lhe proporciona toda a informação possível tal como se se tratasse do catecismo, o professor dá suas verdades as quais se aprenderá de cor de tal maneira que possa passar nas provas. Termina o nível médio e do mesmo modo se considera que o aluno ignora tudo e pelo mesmo, se lhe instrui em tudo. O mesmo ocorre no nível de ensino médio que em profissional, salvo em raríssimas exceções. Quantos são os professores que provocam o diálogo, a discussão e o debate?

Por desgraça são muito poucos os casos de professores que o fazem. Isto não é unicamente responsabilidade dos professores já que assim o estabelecem os planos e programas costumam ser muito rígidos. Os programas estabelecem que tempos serão para a exposição do tema e que tanto para a discussão entre os alunos.

Podem-se esgotar os temas em determinado tempo? O sistema pedagógico terminou por ser mais propriamente um sistema de domesticação que de educação. Diz-se ao estudante o que deve ser e o que deve pensar. Diz-se a ele como escrever uma monografia pronta, como uma receita de bolo, mas sem paixão, sem dinamismo, tanto na graduação quanto na pós-graduação, e em certos casos até mesmo no mestrado, em que a monografia de dissertação também é tolhida.

O resultado deste sistema é que os estudantes se rebelam ou se aplacam e com as duas atitudes se destrói a criatividade dos mesmos e com isto também se destrói o futuro das nações. Com o sistema “educativo” que padecemos se destrói a liderança e nos convertemos efetivamente das circunstâncias. Os grandes problemas nacionais tais como a insegurança, a pobreza, a corrupção, a impunidade, as drogas, o narcotrafico, são conseqüência em grande parte pelo sistema “educativo” que padecemos.

A proposta

Creio que a educação deveria presidir várias matérias, as quais determinariam que outras matérias deveriam estudar os estudantes. Creio que nem todos deveriam estudar as mesmas matérias já que as inquietudes e as aspirações são diferentes. Isto faz necessário que os planos sejam diferentes. As matérias às quais faço referência são a criatividade, a liderança, a visão e a educação emocional. A criatividade é importante porque vai ajudar-nos a inovar o campo no qual pretendemos trabalhar, vai-nos ensinar a resolver os grandes e pequenos problemas com os quais seguramente enfrentaremos em nossa vida trabalhista.

Como já dizia antes, o mundo muda vertiginosamente, mas nós os seres humanos não operamos sob essa mesma velocidade. A liderança é um tema de importância capital para o movimento das pessoas. O tempo que nos tocou viver se caracteriza pela apatia e o pessimismo da grande maioria das pessoas. A cultura e a educação que padecemos assassinaram a liderança, a criatividade e nos levou para a dependência das pessoas. Creio que é indispensável desenvolver a liderança desde a mais precoce idade dos alunos.

6 Qualidades de um Líder de Sucesso

Um bom líder deve ser capaz de fornecer uma motivação consistente para a sua equipe, incentivando-os a atingir a excelência e qualidade em seu desempenho. Um bom líder está sempre procurando maneiras de melhorar a produção e os padrões, seja dentro de uma organização ou em seu dia a dia. Aqui estão seis habilidades de gerenciamento que você pode desenvolver como líder ao trabalhar para criar uma equipe de qualidade.

1. Observação

Este é um aspecto importante que muitas vezes fica negligenciado devido as exigências de tempo de um líder e cronograma. Observação e visitas regulares ao ambiente de trabalho, por exemplo, são prioridades e devem ser feitas regularmente. Observando os funcionários no trabalho, o fluxo de procedimentos, interação e trabalho é fundamental para implementar ajustes para melhorar os resultados. Para ter credibilidade, um líder precisa ser visto e ser conhecido para ser atualizado com o que está acontecendo no local de trabalho.

2. Monitorar o desempenho dos empregados

O desempenho do empregado precisa ser monitorado, mas de uma forma que seja mutuamente aceita. Políticas e procedimentos precisam ser claros. Conferência deve ser em uma base regular e não apenas quando há um problema. Avaliações e as avaliações não devem ser apenas formalidade todas ou exibir uma papelada necessária para ser feito e arquivado. Conferências individuais e de grupo devem ser realizadas não só para monitorar o desempenho, mas com a expectativa de em curso de desenvolvimento profissional e apoio. Deve haver estímulo frequente e critérios claros para alcançar metas, tanto para o grupo e individual.

3. Implementação de programas de desenvolvimento profissional

Um bom líder avalia fraquezas e fornece estratégias de formação e desenvolvimento para reforçar as competências que estiverem mais fracas dentro da equipe.

4. Demonstrar conhecimento de trabalho e especialização

Boa liderança surge a partir de forte conhecimento e experiência do processo de produção e leva a resultados. Se um líder não possui todas as competências e conhecimentos, ele deve ser humilde o bastante para procurar especialistas envolvidos nos departamentos onde sua liderança for necessária. Isto é importante para manter um quadro preciso e informado em geral.

5. Boa tomada de decisões

A boa liderança é caracterizada pela capacidade de tomar boas decisões. Um líder considera todos os fatores diferentes antes de tomar uma decisão. Claras e firmes decisões, combinadas com a disposição e flexibilidade param se adaptar e se ajustar a cada situação gera confiança das pessoas na liderança.

6. Capacidade de conduta e de avaliar pesquisas

Revisão em curso e de pesquisa é vital para manter o bom andamento de qualquer negócio. Embora a gestão do presente deva assegurar a excelência em curso e o desempenho do produto, um bom líder também é capaz de olhar para o futuro. Condução e avaliação de pesquisas é uma forma importante de planejamento e de estar preparado para o futuro.

A excelente liderança é sempre ativa em vez de passiva. Ao desenvolver e aprimorar estas seis habilidades gerenciais, você certamente construirá uma base sólida para o sucesso.