Marketing Digital e o Novo Perfil do Jornalista

Profissões clássicas são passíveis da criação de um estereótipo. O jornalista, certamente, não foge à regra. Entretanto, nos últimos 10 anos ou 15 anos se pudesse recriar o padrão de comportamento do jornalista, as tendências mudariam radicalmente. Tudo isso se deve à mudança do profissional que hoje é formado. Além das funções da carreira e suas aplicações, o advento da internet e a criação de uma demanda digital, reposiciona totalmente a carreira em relação ao antigo profissional ultrajado e posto de lado, muitas vezes com um esteriótipo determinado que o relega a uma  sorte que não é próspera.

O jornalista e o Marketing Digital

Algumas mudanças se devem ao apelo tecnológico após o surgimento da internet. Porém, outras são diferenças devido ao meio externo às salas de aula. O mercado de comunicação muda a cada dia e nem sempre para melhor. Há uma diminuição de vagas, as redações estão cada dia mais esvaziadas, atrelado ao aumento de profissionais e uma demanda de trabalho que não é remunerada de maneira condizente com o mercado em inúmeros casos.

O bom profissional, que além de Jornalismo, enxerga a comunicação com um todo, pega as técnicas jornalísticas e as aplica em outros fundamentos e carreiras, como, por exemplo, o marketing digital. Afinal, todas as vertentes comunicacionais têm suas peculiaridades, mas todas precisam de conteúdo. E não há outro profissional que faça isso melhor, com mais precisão e clareza, que o jornalista. Logo, posições clássicas como redações e assessorias de comunicação perdem profissionais para as redes sociais e outras aplicações executadas para ambientes online.

Transformação na construção profissional muda a cara da carreira

Não há como acreditar que o jornalismo clássico voltará a reinar plenamente frente outras profissões, afinal, as redações jamais voltarão a necessitar da antiga carga humana. Além de existir uma penca de profissionais formados, batendo cabeça e, muitas vezes, sem condições, há uma demanda em crescimento necessitando do perfil do jornalista. Mas é importante que se observe que, uma vez que se ampliam os horizontes, há uma cobrança ainda maior por qualificação. Logo, o jornalista do futuro deverá ser muito mais que multimidiático, deve ser um multiprofissional com várias sabedorias e aplicações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *