Locação de Móveis Como Estratégia para Novos Negócios

O fortalecimento do universo empreendedor em nosso pais, começa a trazer aspectos de gestão que até pouquíssimos anos, não eram fatores pensados com o devido cuidado.

Vem crescendo em nosso país, o hábito de somente se pagar pelo que efetivamente terá uso – deixando um pouco de lado os aspectos de compras improdutivas e que não são pensadas à médio e longo prazos.

Dentro desse contexto, temos observado que as empresas nascentes, que começam as suas operações, tem procurado reduzir seus custos iniciais, racionalizando melhor seu fluxo de caixa.

O aluguel de mesas e cadeiras de escritório por exemplo, é um contraponto à tradicional compra de móveis, que com o passar do tempo se tornam um problema. Entre esses problemas pode-se citar:

  • uso desnecessário de recursos financeiros em móveis que rapidamente irão obsolescer;
  • degradação em face das constantes mudanças de lay-out e também de espaços físicos e endereços – visto que empresas em  fase inicial, terão diversas etapas de ajustes e adaptações até conseguirem se estabilizar;
  • todo ativo adquerido, imediatamente entra em processo de depreciação contábil – sendo que também gera um patrimônio que será lançado em balanço como ativo, mas que na prática não pode ser considerado como tal.

É fato que a cultura nacional sempre se estabeleceu pelo hábito de comprar o que se julgava necessário, sem pensar de uma forma mais racional se aquele investimento era necessário e também efetuado da forma correta – afinal, somos o país onde a cultura do parcelamento a juros altíssimos, ainda impera, sendo que observado somente o “valor da parcela” e não da aquisição como um todo.

Um novo cenário econômico: as empresas de compartilhamento

Quebrando esse paradigma nacional, assistimos nos anos recentes o surgimento de empresas que adotam uma postura completamente diferente da que sempre vivenciamos em nosso país:

– as empresas de compartilhamento (como Uber, Netflix e o AirBNB) vem mostrando a importância de se preservar o fluxo de caixa das empresas, para as suas atividades fim e não drenando suas energias em diversas ações que não servem para gerar negócios e lucros.

Em um outro modelo de compartilhamento para empresas – mas dentro dessa filosofia – não por acaso, surgiram e cresceram significativamente espaços para negócios compartilhados como os coworking, com várias unidades e modelos nas principais cidades brasileiras.

Por todos esses aspectos, a locação de moveis ganha força, por propiciar as seguintes vantagens:

  • uso adequado à realidade da empresa – as empresas quando estão no modelo de locação, ampliam ou diminuem seus custos de acordo com o que for estritamente necessário naquele momento;
  • elas podem renovar sues mobiliários de tempos em tempos, sem ter que alterar seu fluxo de caixa para isso;
  • disponibilidade imediata de móveis sem ter que onerar seu fluxo de caixa;
  • lançam a locação como despesa em seus balanços e com isso podendo abater do IRPJ e CSLL – aumentando a lucratividade;
  • implantam em seus negócios, a filosofia do uso correto, adequado e justo dos recursos financeiros – pois indubitavelmente, as empresas que tem o melhor controle de despesas e de custos, terão chances muito maiores de crescer e ser vitoriosas em seus mercados.
Sobre Este Autor

Postar uma Resposta