Como Gerir Corretamente o Esforço de Um Jogador de Futebol

O ritmo competitivo no futebol tem aumentado muito nos últimos anos. A quantidade de jogos é cada vez maior para clubes e para seleções, tanto a nível interno (competições nacionais) como externo (competições europeias da UEFA e internacionais da FIFA). Por outro lado, o nível competitivo está cada vez mais exigente e os clubes teoricamente mais fortes nem sempre vencem os mais fracos, apesar de serem considerados favoritos na Comunicação Social ou nas tradicionais casas de apostas. Tudo isto torna as metodologias de treino cada vez mais decisivas, principalmente ao nível da resistência física. O treinador e o jogador necessitam de conjugar esforços neste sentido.

O trabalho do treinador

É da responsabilidade do treinador, em colaboração com o preparador físico, encontrar metodologias de treino que envolvam todas as variáveis do desenvolvimento físico e de resistência dos atletas.

Apresentamos alguns exemplos destas variáveis:

  • Capacidade de movimentação e de reação rápida perante uma solicitação de jogo (capacidade de “arranque”)
  •  Coordenação de movimentos (equilíbrio corporal)
  • A própria tonificação muscular (potencia muscular)
  • Resistência das articulações para suportar os mais altos ritmos de jogo
  • Desenvolvimento da capacidade cardiorrespiratória
  • Capacidade de resistência a fatores externos como por exemplo as variações de temperatura e umidade atmosférica

Para além destas variáveis, específicas dos métodos de treino, a equipa técnica deve levar em conta outros fatores, como por exemplo a resistência psicológica e a motivação do atleta.

O trabalho do jogador

É evidente que o rendimento físico depende muito do estado de espírito do atleta e alguns clubes recorrem mesmo a psicólogos para atender a este propósito. Outro aspeto fundamental é o respeito pelo equilíbrio entre esforço e repouso.

O treinador deve levar em conta as caraterísticas específicas de resistência física de cada atleta e, em conformidade com isso, proceder à necessária rotatividade no plantel para evitar o desgaste excessivo.

Em seguida, iremos analisar as exigências feitas aos jogadores:

  • A primeira exigência que se faz a um atleta é seguir, sem questionar, todas as instruções do treinador, preparador físico e fisioterapeutas. Devem respeitar e ouvir as decisões destes profissionais para que sejam uma aposta válida dentro do respetivo plantel.
  • É exigido ao atleta que mantenha uma alimentação equilibrada e saudável. O recurso a um nutricionista é uma estratégia cada vez mais adotada pelos clubes de futebol, para ajudar o atleta a cumprir este objetivo.
  • Obviamente também é exigido ao atleta que este se abstenha de hábitos nefastos como o consumo de tabaco e bebidas alcoólicas. Indispensável para uma boa capacidade de resistência física é, também, um bom ritmo de sono.
  • Se o atleta se mantiver informado sobre os métodos científicos de treino da resistência, todo este trabalho será mais fácil. Assim, deve informar-se sobre os métodos tecnológicos de quantificação dos valores de força e resistência, assim como dos melhores métodos para os melhorar.
  • Gestão do esforço em campo: cabe ao atleta avaliar até que ponto o seu trabalho em campo envolve um gasto inútil de energia em determinadas ações, gerindo o esforço para que os seus mais elevados índices físicos possam ser aplicados nos movimentos coletivos mais importantes para a obtenção do sucesso desportivo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *