Como é Feito o Diagnóstico da Psoríase, Seu Tratamento e Prevenção?

Todo o diagnostico da psoríase é feito de forma fácil e precisa, se baseia principalmente em toda a história clínica onde são achadas lesões típicas com dados característicos existentes de raspagem das lesões bem como ao exame pelo médico. Em situações consideradas como mais graves, ou ainda formas que não são usuais e ainda se pode lançar a mão de uma biópsia da pele, um exame de pele com um diagnóstico considerado como característico ou indicativo.

Muitos dos exames laboratoriais poderão ajudar para colaborar com toda a investigação dos desencadeantes da doença como por exemplo o diabetes e ainda a infecção estreptocócica.

Como se tratar a doença?

É importante acima de tudo se contar com diversas orientações gerais quanto a sua doença, procurando assim individualizar todo o tratamento conforme as características existentes de cada um dos pacientes. Vale a pena lembrar do aspecto considerado como não contagioso desta doença, de todos os fatores que são desencadeantes, como o estresse, o frio, a exposição excessiva ao sol, muitas doenças, entre outros fatores.

Em alguns casos mais leves a moderados é possível que eles sejam controlados com uma medicação de utilização local na sua pele, devendo sempre ser indicados e controlados através dos médicos. Os casos que são considerados mais severos e extensos requerem assim uma boa abordagem mais controlada e também bastante agressiva, com as medicações de utilização local na pele, devendo sempre ser indicados e também controlados pelo seu médico.

A exposição considerada moderada ao sol e ainda a hidratação contínua da pele são importantes para a maioria dos pacientes determinados.

Como prevenir a doença

É muito importante esclarecer o paciente sobre a doença, bem como a sua evolução, desencadeantes, tratamentos disponíveis e ainda um envolvimento emocional, ainda não existe uma forma precisa para que se possa prevenir a psoríase. E cada vez mais que se estuda a doença, já existem diversos avanços nos tratamentos, mas ainda é um grande desafio de manter o paciente sem lesões com a segurança por muito tempo, e com isto é possível se determinar as situações mais comuns da doença.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *