Arquivo da categoria: Reformar & Construir

Troca de Torneira

Se existe uma coisa desagradável é aquele barulho insistente e irritante de torneira pingando, principalmente, durante a madrugada logo depois que você consegue pegar no sono. De nada adiantará ir até a pia com o objetivo de estancar o problema apertando a torneira até que o pinga-pinga pare.

Quando a torneira está pingando, isso significa que ela está pedindo um reparo. O equipamento precisa apenas de um conserto simples mais conhecido como “troca da borrachinha”. Popularmente conhecida como “borrachinha”, o item recebe o nome de Vedante e é fabricado tanto de borracha como de silicone. O acessório feito de silicone é mais durável e o mais usado atualmente.

É importante saber que nem todas as torneiras que estão no mercado fazem uso da famosa “borrachinha”. Elas se modernizaram e são chamadas de “torneiras ¼ de volta. A torneira comum é aquela que para ser aberta até o fim é preciso dar mais de uma volta inteira. Já modelos que é necessário dar 3 voltas e ½.

Por outro lado, a torneira ¼ de volta para abrir precisa de apenas um toque, pois ela conta com um reparo interno feito de cerâmica e livre da borracha.

Para realizar a troca, o primeiro passo é verificar a pia e observar quantas torneiras existem e qual é a distância entre elas. De maneira particular, podem ser duas as torneiras de banheiro e elas podem estar conectadas com o cano e assim formam uma coisa só, porém podem ser separadas. Essa informação é fundamental na hora de escolher a torneira nova. O valor das torneiras varia de R$40 a R$500. O melhor é optar por uma de qualidade, porque esse é um item que tem longa durabilidade.

Para instalar o melhor é contar com um profissional experiente como o encanador, porém nada impede que você leia as instruções que vem junto com a torneira. Atenção, pois elas poderão ser detalhadas e uteis, ou frustrantes por serem poucas. Caso prefira realizar a troca sozinho, a melhor forma é seguir as instruções dadas pelo fabricante.

A presença do encanador continua sendo a melhor opção, pois o profissional já conta com uma chave de lavatório e esse equipamento será necessário para alcançar e remover duas grandes porcas que ficam ao lado da torneira e são presas à pia.

  • Retire tudo o que estiver embaixo da pia e coloque bem longe, se possível até fora do banheiro. Depois, deixe o ambiente bem iluminado, pois isso facilitará não só para o encanador como para o marinheiro de primeira viagem.
  • Desligue o registro e as duas válvulas, girando-as como se fossem torneiras no sentido horário. Após isso, a porca que fica acima da válvula em cada um dos canos deve ser solta, a água escorre, por isso fique com um pano próximo.
  • Agora, as porcas grandes que são responsáveis por fazer com que a torneira fique no lugar deverão ser retiradas. É importante estar atento, pois podem haver uma, duas ou até três porcas.
  • Então, puxe a torneira velha com tudo o que está preso a ela para fora. Antes de colocar a torneira nova, examine a qualidade dos canos e se eles estiverem danificados, devem ser trocados imediatamente.
  • Limpe bem o local onde a torneira velha estava e agora é só montar a nova torneira e se livrar do pinga-pinga irritante.

Esse problema deve ser o quanto antes sanado, pois uma torneira pingando gasta por dia 46 litros de água e no mês 1380 litros. Se ele não for sanado o quanto antes, vão para o ralo o planeta e o seu dinheiro também.

Confira as Vantagens do Acrílico

O acrílico é um material que além de sua facilidade na utilização possui diversas facilidades em questões de adquirir formar, por sua leveza, alta resistência e também por sua flexibilidade. Este item está se tornando o queridinho quando é colocado em comparação com o vidro.

O acrílico é um material que possui uma superfície brilhante e transparente, e são por essas características que muitas pessoas estão deixando o vidro de lado e substituído pelo acrílico, pois além de ter características semelhantes tem uma resistência ao impacto bem maior do que a do vidro. Uma queda por exemplo quebraria o vidro e no caso do acrílico não, pois ele é mais leve, e se por algum incidente o acrílico quebrar, ele não causará ferimentos que o vidro pode fazer.

Se comparando com o vidro é claro que o acrílico pode sofrer alguns danos com o uso incorreto, leves arranhões que com o tempo podem ocorrer pelo próprio produto, porém esse não é o fim. É possível fazer o polimento da peça assim é possível eliminar todos as imperfeições da peça e ter uma peça novinha em folha para utilizar no local de sua preferência.

Esse material possui uma superfície plana e isso auxilia muito na hora da limpeza, pois ele não acumula muita sujeira. É só usar água e sabão neutro, com a ajuda de um pano macio e você já tem um acrílico limpo e com a aparência de novo. Prático né?

Se você ainda não se convenceu da verdadeira qualidade e efetividade de substituição do vidro pelo acrílico, vamos te ajudar te mostrando os benefícios e vantagens que esse material tem quando ocupa o lugar do vidro. Confira:

  • Maior variedade e cores e texturas que podem ser utilizados em ambientes empresariais e doméstico;
  • Dez vezes mais resistente que o vidro quando sobre um impacto;
  • Peso menor, tem um peso duas vezes menor que o vidro;
  • Transparência maior que a do vidro dependendo de seu acabamento;
  • Resistência a luz do sol, o que o permite que o material tenha uma longa duração no seu uso.

Gostou de saber sobre as vantagens incríveis que esse material tem? Aposte, vale muito a pena, além de terem qualidades semelhantes o custo do acrílico é relativamente menor, análise e adquira o que a de melhor o seu ambiente de trabalho ou na sua casa mesmo.

Como Aumentar a Eficiência do Ar Condicionado

Evite bloqueio do fluxo de ar

Selagem de dutos com vazamento pode ser a melhor coisa que você pode fazer para melhorar a eficiência, mas outras ações vão ajudar também: substituir filtros sujos, manter a carga direita e o fluxo de ar, limpar as bobinas.

Outra coisa a fazer é certificar-se de que a unidade exterior (condensador) não é tão escondido da vista que seu fluxo de ar seja bloqueado ou que as folhas ou outros matérias não estejam entupindo-os.

Se você estiver substituindo ou instalando um novo ar condicionado, observe para comprar equipamentos de alta eficiência. A classificação de eficiência mais conhecida é a Classificação de Eficiência Energética Sazonal (SEER). SEER 13 é a eficiência mínima que você deve considerar, mas é provável que maiores eficiências sejam bastante rentáveis.

Dependendo do seu clima, você pode querer considerar outros números de eficiência também. Por exemplo, em climas quentes e secos, você deve olhar para a Classificação de Eficiência Energética (EER) que diz o quão bem o sistema irá funcionar em condições de pico. Se você vive em um clima quente e úmido, você precisa considerar o quão bem a unidade pode desumidificar .

Reduza o trabalho feito pelo aparelho de ar

Você pode fazer seu condicionador de ar trabalhar melhor reduzindo o tamanho do trabalho que ele tem de fazer. Você pode fazer isso melhorando o ambiente ou reduzindo as cargas geradas internamente ao qual o seu condicionador de ar deve lidar.

Melhorar o ambiente inclui coisas como: o aumento dos níveis de isolamento ou janelas de sombreamento ou reduzir o vazamento de ar, além de fazer a manutenção do ar condicionado periodicamente. Tais melhorias irão reduzir a energia consumida no aquecimento e resfriamento, mas podem exigir tempo ou investimento considerável.

Ao colocar um telhado novo ou janelas novas, costuma ser rentável usar produtos de alta eficiência. Coberturas com menas passagem de calor, por exemplo, pode economizar meia tonelada de resfriamento e uma grande quantidade de energia ao longo do ano.

Reduzir as cargas internas pode ser mais simples. Desligar aparelhos elétricos, luzes e equipamentos desnecessários. Mude o uso do aparelho (como lavadoras e secadoras) para períodos mais frios do dia. Use ventiladores de exaustão locais para remover o calor e a umidade da cozinhas e banhos.

Em alguns climas outras técnicas podem ser usadas para reduzir a carga no condicionador de ar. Em climas secos, as condições de ar evaporativo (a versão moderna do que costumava ser chamado de “refrigeradores de pântano”) podem proporcionar arrefecimento substancial.

Em climas com grandes oscilações de temperatura, como os climas quentes e secos, você pode reduzir a carga trazendo grandes quantidades de ar fresco ao ar livre. Esses sistemas podem ser chamados de “arrefecimento noturno”, “arrefecimento ventilativo” ou “economizadores residenciais”.

O Cobre Como Condutor Elétrico em Sistemas de Aterramento

Com a demanda por segurança na utilização de equipamentos eletrônicos, de modo a evitar eventos desagradáveis nos patrimônios abrangidos pelos sistemas elétricos, usar o cobre como condutor elétrico para sistemas de aterramento é sem sombra de dúvidas crucial.

Componentes como relés, fusíveis, até matérias como o cobre, que é um condutor elétrico para sistemas aterramento, constituem o ponto chave para a fundação de uma instalação de qualidade.

A escolha não acertada de matérias elétricos durante a instalação, pode originar efeitos nefastos, desde choques elétricos que podem atingir pessoas e animais, e em casos mais graves estes podem alastrar-se provocando curtos-circuitos, o que pode originar incêndios de grandes proporções caso os materiais usados não tenham qualidade.

Mas como acabar com os choques elétricos?

Quando a corrente elétrica atravessa pelos fios dos equipamentos elétricos, como computadores , televisões, etc. sempre ocorre um “vazamento” ou por outras palavras “fuga” de elétrons.

E durante esta fuga, os elétrons procuram por um local para desaguar. E para que estes elétrons sejam liberados, deve haver uma diferença de potencial entre o aparelho ou fio que liberta carga e o corpo que vai receber a carga (quem é eletrocutado).

“ Saiba como evitar essas ‘fugas’ já a seguir”

A melhor forma de evitar qualquer problema que pode ser provocado pelos vazamentos de elétrons nos aparelhos e fios, é proporcionado a estes um material que consiga absorver os seus elétrons efetivamente.

O cobre constitui um condutor elétrico muito melhor quando comparado  ao corpo humano, o que torna-o mais atrativo para as cargas soltas, as quais ao em vez de direcionarem-se para o corpo humano, irão optar por seguir o melhor caminho, ou seja, aquele que oferece maior diferença de potencial, neste caso o cobre.

O cobre é empregue na maioria dos casos em sistemas de aterramento como haste de aterramento, onde os elétrons são atraídos até a haste do cobre que está enterrada no solo, a qual por sua vez conclui o trabalho absorvendo a corrente elétrica para o solo.

Com vista a evitar os efeitos negativos provocados pelas fugas de corrente citados acima, é necessário ter um sistema de aterramento nas casas e em edifícios.

Entenda melhor os sistemas de aterramento

O aterramento é definido em geral como um mecanismo utilizado para evitar desequilíbrios na tensão elétrica de qualquer instalação. E para além deste sistema ser usado para prevenir a fuga de cargas elétricas, que podem provocar a morte, o mesmo ainda pode proporcionar bastantes benefícios adicionais.

  • Aumento de tempo de vida dos aparelhos: Na carcaça ou parte metálica da máquina ou equipamento, há geração de cargas eletrostáticas a medida que este é utilizado.

Com o sistema de aterramento essas forças são desviadas para a terra, proporcionando um melhor funcionamento do equipamento, como no caso de sistemas de áudio e Home theaters, onde os ruídos são reduzidos.

  • Proporciona um bom desempenho dos dispositivos de proteção: estes dispositivos são os fusíveis ou disjuntos, os quais deixam de tratar do desvio de cargas a todo momento, passando apenas a intervir em casos de curtos-circuitos ou sobrecarga na instalação.
  • Protege contra as descargas atmosféricas: em caso de chuvas fortes podem ocorrer descargas atmosféricas ou relâmpagos que podem atingir o equipamento que estiver em uso, o que pode provocar consequências graves, mas por meio do sistema de aterramento todas essas cargas são direcionadas para a terra.

A lei brasileira de instalações elétricas (NBR 5410), já exige que todos os circuitos de tomadas e os que servem a equipamentos específicos (tal como é o caso de chuveiros, ar-condicionado, micro-ondas, etc.) tenham um fio terra.

Hoje em dia as tomadas nas quais podemos plugar os nossos eletrodomésticos, vem com um terceiro órfico cujo o potencial é de zero absoluto, o fio terra.

O fio terra é responsável pela recolha de todas as cargas que encontram-se livres nos equipamentos que estão no edifício ou residência. Este fio deve estar ligado a uma ou mais hastes de cobre enterradas na terra.

2 termos importantes a ter em conta no aterramento

É comum muitas pessoas confundirem o terra (PE) com o neutro (N), mas na verdade este dois conceitos são essencialmente distintos. E é importante dominá-los, de modo a entender os diferentes tipos de sistema de aterramento.

Neutro

O neutro de uma forma resumida, é o caminho de retorno para um circuito de corrente elétrica alternada, caminho este que era suposto transportar corrente em condições normais. Esta corrente pode ser produzida por muitas razões, mas tem como principal motivo o desequilíbrio da corrente de fase.

Podem haver outras razões também, mas a magnitude desta corrente é em fração de corrente de fase e em alguns casos, pode ser mesmo o dobro da corrente de fase. Portanto, o fio neutro é sempre assumido como sendo carregado (no circuito ativo).

Este fio neutro é dado à terra (por aterramento), de modo que o segundo terminal do fio neutro transforme-se em potencial zero.

Terra

Terra é usado para redirecionar as cargas soltas do sistema pelo caminho de resistência mínima, garantindo assim uma maior segurança.

Enquanto a fase e o neutro estão conectados à fiação de energia principal, a terra pode ser conectada ao corpo do equipamento ou a qualquer sistema que em condições normais não transporte corrente, porém em caso de alguma falha de isolamento, este pode transportar alguma corrente menor.

Esta corrente não é diretamente proveniente de fio carregado ou fase, mas é de links secundários do sistema que não estejam em contato com o sistema ativo em condições normais .

Esta corrente é geralmente muito menor do que a corrente da linha principal ou a corrente de fase, a qual encontra-se fundamentalmente na ordem de mA. Mas muito cuidado, pois esta corrente de fuga é boa o suficiente para matar alguém ou provocar incêndios.

Porém por meio do fio terra a corrente em fuga é direcionada para um caminho de baixa resistência e enviada diretamente para a haste de cobre que encontra-se enterrada na terra.

Um exemplo bem simples que demostra estes conceitos citados a cima em pratica, é a ligação de um computador à rede elétrica com duas fases de respetivamente +110 VCA , – 110 VCA e com um neutro.

Neste sistema a alimentação é fornecida pela concessionária de energia elétrica, que apenas liga a caixa de entrada ao poste externo se tiver uma haste de aterramento padrão na casa ou edifício em questão. Além disso, a concessionária também exige 2 disjuntores de proteção.

Na teoria, o terminal neutro da concessionária deve ter potencial igual a zero volt. Porém, devido ao desequilíbrio nas fases do transformador de distribuição, é muito frequente esse terminal tender a assumir potenciais que sejam diferentes de zero.

O desequilíbrio de fases ocorre quando temos consumidores com necessidades de potências muito distintas, ligadas em um mesmo link. Por exemplo, um transformador alimenta em um dos meios uma casa normal, e no outro meio, um pequeno estabelecimento de vendas.

Essa diferença de necessidades em um mesmo link, pode provocar uma variação de potencial no neutro. E para evitar que esse potencial varie, é ligando (logo na entrada) o fio neutro a uma haste de terra. Sendo assim, qualquer potencial que tender a aparecer será escoado para a terra.

Devido à diferença na aplicação nunca misturamos aterramento de neutro e terra ( como no exemplo do computador, onde é usado uma fase e neutro). No entanto, ambos são feitos à terra (claro que o processo pode ser diferente).

Se o neutro e o terra forem misturados então o fio da terra que não é suposto carregar toda a corrente em condições normais, pode ter algumas cargas transversalmente e se tornará perigoso.

“Com estes conhecimentos retidos, já podemos passar para o próximo tópico”

Quais são os tipos de aterramento?

Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) brasileira, e por via da norma NBR 5410, são admitidos 3 tipos de aterramento. Mas porque existem três tipos de aterramento? e qual é a diferença?.

A diferença culminante entre os tipos de aterramento estabelecidos, está diretamente ligada a ligação dos condutores neutro e terra entre o equipamento considerado e o transformador que está localizado em via pública.

“ Conheça já nos próximos tópicos os diferentes tipos de aterramento “

Sistema TN-S

Este sistema é formado basicamente por dois condutores que encontram-se paralelamente ligados a carcaça (ou massa) ou parte metálica do equipamento.

Onde temos de um lado o condutor neutro aterrado na saída do transformador, e do outro lado encontramos igualmente aterrado, o fio terra, o qual também deve estar ligado a carcaça do equipamento em questão, atuando na proteção contra choques elétricos (PE).

Sistema TN-C

Neste sistema ocorre um fenômeno que é embora esteja normalizado, não é muito recomendado por alguns profissionais. O fio terra e o neutro encontram-se embutidos no mesmo condutor, ou seja, um único condutor é utilizado como fio terra e neutro simultaneamente (PEN).

Aqui o condutor neutro que sai do transformador deve ser aterrado e seguir em direção ao equipamento, o qual será adaptado respectivamente ao neutro do mesmo e sua carcaça (massa metálica).

Sistema TT

Visto como o sistema mais eficiente, apresenta o neutro aterrado na saída do transformador e levando à carga. E o condutor de proteção neste caso irá contar com a sua própria haste de aterramento, independentemente daquele usado pelo condutor.

A principal característica deste tipo de sistema, fundamenta-se na existência de 2 aterramentos distintos para os condutores responsáveis pelo equilíbrio das cargas nas fases (N) e a segurança proporcionada contra tensões de contato perigosas (PE).

“ Mas qual é o melhor sistema?, já abaixo ”

Logicamente que o melhor sistema de aterramento seria o TT por ser o mais eficiente, porém se não for possível adaptar este sistema por motivos operacionais e de ordem estrutural do ambiente, o melhor que pode ser feito é optar pelo sistema TN-S.

E como última instancia, sinta-se à vontade de usar o sistema TN-C caso os dois primeiros sistemas não se enquadram com as condições operacionais ou da estrutura do ambiente.

Escolha o material ideal para o aterramento

Praticamente todo o processo que visa o estabelecimento de um bom sistema de aterramento, baseia-se na escolha do eletrodo ideal. A escolha deste material fundamental para o aterramento, é feita mediante a consideração de vários fatores de caráter químico do solo, tais como o teor de água, quantidade de sais existentes, entre outros fatores.

Com vista a atender as diversas situações, existem 3 tipos de eletrodos para aterramento:

  1. Haste de aterramento ou eletrodo de aterramento único

A haste é geralmente feita a partir de material altamente condutivo, como é o caso do cobre que aplica-se para produzir o cabo ou haste de cobre nu, que é de alta condutividade de corrente elétrica.

Este material pode ser encontrado em tamanhos e diâmetros variáveis, sendo os mais comercialmente aplicáveis: 2,5 m de comprimento por 0.5 pol de diâmetro e 4,0 m (comprimento) por 1 pol de diâmetro.

Um uso em grupo (barras em paralelo) da haste de enterramento também é aceitável, mas para tal é necessário que verifique-se o valor da resistência obtida que deve ser inferior a 10 Ω.

  1. Malha de aterramento

Este eletrodo de aterramento é altamente recomendado para terrenos extremamente secos. A rede de malha, realizada com cabos de cobre nú, estende-se por toda a área da construção, sendo recomendável montá-lo antes de fazer o contra piso do edifício.

E é também altamente aplicável em estúdios de sonorização, por mais que o solo tenha uma boa resistência.

  1. Estrutura metálica

Esta estrutura é formada por diversos eletrodos de aterramento que encontram-se interligados. Este tipo de eletrodo é mais aplicado em construções, onde as ferragens das estruturas podem ser aproveitadas como eletrodos de aterramento elétrico.

Mas esta opção de aterramento demanda de um grande nível de alerta, pois se por acaso alguma pessoa entrar em contato com superfícies que contenham internamente tais componentes nas instalações em particular, está corre o risco de ser eletrocutada.

A escolha do material ideal para o aterramento nas instalação elétricas, é um ponto que deve ser tratado tendo em conta todas as condições do ambiente onde o sistema será instalado.

E sendo que o aterramento envolve a emersão de cargas elétricas pelos condutores, os quais conduzem a mesma carga até a haste, é de toda importância garantir com que o material usado seja eficiente na condução da corrente, e por isso, o uso do cobre como condutor elétrico é fundamental.

Escolha o material certo e garanta a segurança em suas instalações elétricas.

4 Motivos para Comprar ou Construir Uma Casa de Madeira

As casas de madeira se tornaram verdadeiras febres nos últimos tempos, e não só pelo seu baixo custo e  praticidade, mas também por questões estéticas. Tem virado tendência ter uma casa de madeira, seja esta moderna ou num estilo mais rural, parece um mercado crescente e esse crescimento não tem fim.

Confira a seguir uma lista com 4 motivos para você construir ou até mesmo comprar uma casa de madeira e porque seria uma melhor opção à construção convencional:

1. Menor Custo

Casas de madeira são muito mais econômicas que as casas de alvenaria, chegando até 20% menos custo. Isso porque não ocorre o desperdício de material, a dispensa do uso de cimento e tijolo além também do acabamento das casas de madeira ser algo muito mais prático e fácil, assim também como suas reformas e manutenções, resultando em um orçamento bem menor do que o de uma casa de alvenaria, sem contar com o tempo curto de construção, não sendo necessário o pagamento pela mão de obra.

Veja o preço das casas de madeira atualizado para este ano.

E o melhor: você pode optar pela desmontagem e mudanças no projeto com perdas próximo a zero, pois essas casas costumam já vir construídas da fábrica, tendo assim seu preço já estabelecido de acordo com tamanho e quantidade de material, dificultando o aumento no orçamento na duração da obra.

2. Desperdícios

Os materiais utilizados nas obras de casas de madeira são medidos e cortados antes mesmo da construção, dessa forma a quantidade de material já é pré-definida evitando assim possíveis desperdícios.

3. Rapidez

A casa já chega moldada ao local de construção, com materiais definidos, medidos e prontos para a montagem. Essas casas levam um tempo mais rápido para finalização da construção. Uma casa de alvenaria pequena pode levar de 120 a 140 dias para ficar pronta enquanto uma casa de madeira fica pronta em até 60 dias.

4. Durabilidade e qualidade

Quando as casas de madeira contam com os cuidados e a manutenção e conservação corretas e necessárias, podem durar por muitos anos e até mesmo séculos, pois atualmente existem diversas técnicas de preservação, capazes de manter a madeira protegida contra insetos, fundos, raios UB e umidade de maneira eficaz.

Espero que estas dicas lhe tenham ajudado na decisão de avançar com a construção de uma nova casa de madeira, ou até mesmo com a compra de uma já construida.

Higienização de Sofás: Quais São as Vantagens

Quando você tem problema com um produto é mais fácil consertá-lo ou jogar fora e comprar outro? A higienização de sofás veio para solucionar problemas com sujeiras e impurezas do seu sofá, sem que seja preciso trocar o estofado ou até mesmo comprar outro.

Já pensou o quanto você gastaria se não fosse por uma higienização de sofás? Vamos ser práticos e ágeis. Por meio da higienização seu sofá volta a ser o que era antes em algumas horas, sem causar nenhum prejuízo grande.

Existem muitas empresas que são especializadas nesse tipo de serviço, mas é importante escolher uma empresa de confiança que já seja recomendada no mercado por conta do seu histórico positivo.

Esse serviço tem salvado o bolso de muita gente que tem seus sofás, mas que por qualquer motivo eles tenham ficado muito sujos a ponto de ficar desagradável o seu uso. Hoje você vai conhecer um pouco mais sobre esse serviço.

Por que optar pela higienização de sofás?

Posso te dizer que o primeiro motivo para optar por isso tem a ver com economia. Se você tiver tido algum problema com seu sofá, seja com odor, mancha ou sujeira, vale muito mais a pena você pagar por um serviço de higienização de sofá do que comprar outro.

Imagina um mundo onde as coisas não podem ser consertadas, ou passarem por manutenção? Não só o cidadão teria um custo muito alto com isso, como até a questão de agressão ao meio ambiente seria maior.

Outra vantagem sobre a higienização de sofás é a sua praticidade. Em poucas horas você terá o seu sofá novo, como se tivesse saído direto de fábrica. Além do mais, o serviço é feito na sua casa.

É possível verificar todo o processo e ter a certeza de que as coisas estão sendo feitas corretamente. Desde os produtos utilizados, até a forma de manuseio do profissional. Tudo está ali às claras e você não terá nenhuma surpresa.

A escolha de uma empresa séria

Uma coisa importante que você precisa saber é que o serviço bem-feito tem um resultado maravilhoso, mas que não é todo mundo que está apto para te oferecer isso. Na hora de escolher quem contratar, você precisa levar algumas coisas em consideração.

A primeira delas tem a ver com o histórico da empresa. Com a internet fica fácil de avaliarmos a reação de clientes sobre um determinado serviço ou produto. Faça isso! Além do mais, pesquise, veja quanto tempo estão no mercado…

Uma empresa séria que realiza a higienização de sofás terá não só equipamentos qualificados para isso, como profissionais especializados no processo. É preciso entender todo o passo a passo e saber de fato como realiza-lo.

O que vemos por aí são empresas que trabalham de qualquer jeito, utilizando técnicas antigas que não trazem tantos benefícios ao seu sofá e, muito pelo contrário, pode trazer danos às vezes irreversíveis.

Não se deixe levar somente por dinheiro, ok? Lembre-se que às vezes o barato sai caro e o que mais importa aqui é o custo benefício. A empresa precisa te oferecer um serviço de higienização de sofás de qualidade!

Analise também se ela te dá garantia sobre o serviço – essa é uma excelente forma de conseguir analisar a seriedade e comprometimento do local.

Tijolos: Qual o Mais Adequado para Sua Obra?

Quando começamos a planejar uma reforma, nem sempre sabemos de todos os materiais que precisaremos ao longo do processo. É muito importante que eles estejam detalhados já no planejamento, para que não tenha nenhum susto no meio da obra e para que os gastos permaneçam dentro do esperado.

Contudo, a maior parte das pessoas não sabe exatamente quais materiais irá precisar. Os tijolos, por exemplo, são exemplos de materiais que poucas pessoas sabem da variedade existente no mercado. Você sabia que existem diferentes modelos de tijolos e que, para cada aplicação, existe um tipo específico?

De fato, os tijolos são um dos muitos itens que apresentam inúmeras opções e que nem sempre sabemos qual usar. A maior parte das pessoas não sabem que existem diferentes tipos deles e que a escolha do tijolo correto é muito importante. É extremamente necessário saber onde cada tijolo será aplicado e a função dele naquele espaço. Este é um item que irá ajudá-lo na hora de fazer as compras para a sua obra.

Confira as diferenças entre os tipos de tijolos

Os tipos de tijolos mais usados e mais fáceis de encontrar são: o tijolo comum – retangular, com cor de barro, em sua maioria; tijolo baiano – também com cor de barro, mas este apresente alguns furos no meio, variando a quantidade conforme seu tamanho; tijolo de solo – cimento ou tijolo ecológico – não emprega fôrmas e facilita passagem de instalações por conta de aberturas internas; bloco cerâmico – bastante parecido com o tijolo baiano, mas com maior resistência; bloco de concreto – disponível em diversos tamanhos, e muito utilizado em canteiros de obras.

Tipos de tijolos Características Melhores aplicações
Tijolo Comum Proporciona conforto térmico e acústico; necessidade de usar muitos por metro quadrado; falta de perfeição dimensional. Paredes retas e que não apresentem curvas. Formatos irregulares.
Tijolo Baiano Opção mais barata do mercado; não apresenta perfeição dimensional; alto desempenho térmico. Boa opção para vedação e para paredes que não precisam suportar altas cargas estruturais.
Tijolo de Solo – Cimento
(ou Tijolo Ecológico)
Feito de mistura de terra e cimento; sistema modular; produz alvenaria uniforme. Apresenta furos internos que permitem embutir rede hidráulica e elétrica sem necessidade de cortar as paredes.
Bloco Cerâmico Demanda menor tempo para assentamento; apresenta tamanho maior que os demais; gera dificuldade caso seja necessário reformar. Ideal para obras que precisam de rapidez e economia. Representa uma economia de, aproximadamente, 30%.
Bloco de Concreto Maior resistência; necessita menos argamassa; menor conforto térmico; maior rendimento. Melhor opção para locais que não necessitam conforto térmico.

Além das características de cada tijolo, é preciso ter certeza da qualidade da argamassa e rejunte utilizados. Por isso, é extremamente importante compra-los em lojas de confiança e qualidade.

A Utilização de Cabos de Cobre em Aterramentos

Quase todo o cobre extraído no mundo é usado para a fabricação de fios elétricos e cabos condutores. Fios e cabos de cobre são comumente encontrados em componentes elétricos por causa de sua durabilidade e condutividade. Em comparação com outros metais, ele também é bastante acessível. É importante e vital que ele ajude a controlar a energia, uma vez que uma descarga elétrica forte pode lhe causar sérios danos à saúde.

Inclusive, o cobre tem sido utilizado na fiação elétrica desde a invenção do eletroímã, e agora uma curiosidade: Em 1876, com a invenção do telefone, criou-se uma demanda ainda maior pelos fios de cobre como um excelente condutor elétrico. A preferência pela utilização dos cabos de cobre em aterramentos é perfeitamente entendível, uma vez que o cabo é largamente usado na geração, transmissão, distribuição de energia, bem como em circuitos eletrônicos e inúmeros tipos de equipamentos elétricos.

Talvez você não saiba, porém quase todo o cobre extraído no mundo é usado para a fabricação de fios elétricos e cabos condutores. Nós podemos indicar inúmeras dicas de aterramentos e usos para cabos de cobre, mas é fundamental que o trabalho seja executado por profissionais de confiança e que saibam bem como proceder e realizar algo seguro e confiável.

O aterramento lhe trará mais segurança ao lidar com a eletricidade, já que garante que a tomada não vá dar choques ou saia faíscas. Com algumas ferramentas e algum trabalho cuidadoso, o aterramento será algo simples e que trará tranquilidade a todos os envolvidos. Existem outros metais que podem ser usados ​​como fios terra, mas existem algumas vantagens importantes pontuais para o uso do cabo de cobre.

Os fios metálicos são necessários para muitas aplicações elétricas, tais como a ligação à terra e para instalações elétricas. O metal nestes fios necessita ser forte o suficiente para resistir ao desgaste e durável para permanecer estável apesar da grande quantidade de uso. Ele também precisa ser condutor para que a eletricidade possa fluir livremente através do metal e chegar ao seu destino.

O aço é de elevada resistência, contudo tem uma baixa condutividade, ao passo que o cobre é o oposto. Além do cabo de cobre, em um aterramento você precisará de luva de emenda, solda exotérmica, terminal de pressão, conector de medição, caixa de inspeção, e muitos outros itens.

Desentupidora Realiza a Limpeza de Canos de Esgoto

Os serviços de uma desentupidora são importantes não apenas quando há entupimento de canos e fossas, mas também para a prevenção desses problemas que causam tanto transtorno nos imóveis. O sistema de esgoto é tão importante quanto o abastecimento de água, através dele descartamos a água suja vinda de pias, ralos e vasos. O encanamento que leva a sujeira para fora das casas é exclusivo para líquidos, porém restos de comida e outros elementos sólidos podem entupir os canos.

Muitas vezes só nos preocupamos em chamar uma desentupidora quando notamos que o escoamento de água está irregular, este sinal mostra que os canos estão com problemas e que a água não consegue passar por eles. A empresa desentupidora deverá ser acionada para fazer a limpeza do cano e liberar a passagem, impedindo que a sujeira volte para ralos, pias e vasos.

Limpeza de canos é a prevenção

Para não chegar a ter o sistema de esgoto entupido é necessário fazer limpezas periódicas nos canos e também na caixa de inspeção. Esse serviço preventivo limpa o caminho do esgoto e já remove possíveis elementos que podem causar o entupimento dos canos. Esse trabalho preventivo também é feito por desentupidoras que utilizam equipamentos próprios para fazer a limpeza e garantir que por um longo período não haverá riscos de ter o esgoto entupido.

Mas é claro que há alguns cuidados que você pode tomar para evitar o entupimento de fossas e canos, o principal deles é evitar que objetos sólidos entrem nos canos, seja ele restos de comida, papel, pedra ou qualquer outro elemento. Mesmo tendo este cuidado é interessante chamar a desentupidora sempre que achar necessário, principalmente se começar a notar que o escoamento de água não está normal.

Medidas emergenciais

Quando o sistema de esgoto está entupido é fácil identificar porque a água não escoa com facilidade, fica parada no cano e nos pontos de saída é possível perceber que ela desce devagar, ou simplesmente não desce. Esses casos emergenciais exigem a presença de um especialista com urgência, para identificar o ponto que está entupido e então liberar a passagem do esgoto para que outros pontos não venham a ser prejudicados. No caso das fossas, percebemos que está entupida quando a água começa a retornar, trazendo consigo toda a sujeira do esgoto e um odor desagradável que é prejudicial à saúde. Quando isso acontecer chame imediatamente uma desentupidora para que a fossa seja limpa o mais rápido possível.

Tendências de Tintas para Interiores e Exteriores

Hoje existe uma grande tendência e vários tipos de momentos de incertezas, como por exemplo o aquecimento global que vivemos que apontam para tendências focadas em ecologia como os tons de verdes. E em contraponto disto aparecem tons que poderão despertar a ilusão e a fantasia, este é o caso dos dourados e ainda dos metálicos, uma boa irreverência das cores fortes como o azul real, e ainda contrastes existentes entre o preto, branco e vermelho.

Na hora de escolher, o que fazer?

Na hora de escolher por uma ou mais possibilidades de tintas, vale aproveitar todas as facilidades que são oferecidas por todos os fabricantes, com isto existem sistemas tintométricos que através de um programa poderão relacionar as cores a aspectos psicológicos do usuário. Além disto a Suvinil também inaugurou no seu site uma ferramenta que permite colocar uma foto do ambiente da sua casa e brincar com os tons para ver como irá ficar.

Faça a pintura mas sem erros

No caso da preparação de superfícies que sejam novas, é interessante se aguardar pelo menos 30 a 40 dias para a cura do seu reboco. Tudo isto irá evitar fissuras na pintura. E em seguida procure lixar e remover o pó e utilize uma demão de fundo de selador para que tenha uma melhor absorção da tinta.

Em toda a repintura é recomendado se preparar uma parede com uma lixa de número 100 ou ainda 120. Caso existe mofo na parede procure limpar a área com uma parte de água sanitária e dez de água. Procure enxaguar e espere secar a mistura. Para que tenha um trabalho impecável tenha sempre alguns cuidados como por exemplo proteger o chão com uma lona, remover os espelhos de luz, molduras de portas e janelas que podem ser protegidas com fita crepe.

Tampe ainda pequenas imperfeições das paredes antigas, com uma espátula e também massa corrida. Nestes locais vale ainda aplicar um fundo preparador para que tenha ainda possa ter uma uniformidade nas cores, espere secar a tinta, lixe e remova toda a poeira para depois pintar.