A Bíblia e o Pastoreio – Há Séculos Absolutamente Pró-sociais

Os cristãos deveríamos nos apressurar em resgatar os nossos valores permanentes, sem nos problematizar pelos ruídos dos Direitos Humanos e a violência dos modernos libertinos. A maioria dos governos civis no mundo estão, quando não escravizados aos dominadores do mundo pela macroeconomia e as suas filosofias maquiavélicas de conquistas e vitórias sobre os menos fortes, escravizados às suas próprias filosofias rebeldes e sediciosas, que como um bumerangue, sempre voltam contra si mesmos.

Nessa triada manipulista da rimbombância dos Direitos do Homem, a violência libertina e anarquista do povo, e as políticas dominadoras e aproveitadoras dos mais fortes, se busca, como Senaqueribe, amedrontar o povo de Deus para que se cale. E, não obstante a estratégia sábia do rei de Judá para que o povo calasse, este calar-se baseava-se na identidade de povo de Deus com consciência de que Deus o dirige na Terra.

Intolerâncias consagradas pelos políticos imperialistas do mundo desde séculos, e também pela religião, também imperialista, com o jargão “irmãos separados”, aos que se deveria “tolerar”, germinaram em solo fértil em barbecho durante épocas de maior governabilidade dos povos democráticos.

Relativismos pseudocientistas  avançaram sobre todo limite e abarrotam espaços de governo, civil, militar e eclesiais, ou seja, praticamente todos os espaços, incluso os menos propensos a abandonar a ordem e a moral, fazem os estamentos da moralidade, a justiça, a liberdade e a ordem estremecer, não como inservíveis ou fraudulentos senão por falta de coragem para se levantarem sobre o que realmente são historicamente.

Chegam a ser até caluniosas as arbitrariedades atribuídas aos cristãos no país, quando ainda que vapulados pelo predomínio extorsivos das religiões que pretendem representá-los no mundo, têm minado o país com ações pró-sociais muito mais que meramente tolerantes, vicariamente pelos que verdadeiramente sofrem e genuinamente desejam mudar de vida.

Se o leitor consciente e civilmente participativo e compromissado com a sociedade e a Nação desejar, pode comprovar, e ficar absolutamente absorto e comovido de quanta ação pró-social exercem no país ao longo de décadas os cristãos, e especialmente os pastores que, em função de tantas proscrições até mascaradas de “justiça para todos para um país melhor”, nem sempre conseguem laborar com excelência e capital suficiente; não obstante, a seguinte descrição de que é pró-socialidade não faz menos nem mais que simplesmente retratar a presença cristã fazendo uma melhor e singular sociedade que a cada dia se aperfeiçoa mais e mais no livre arbítrio em meio da arena do Relativismo atual:

Definimos as ações pró-sociais como comportamentos que, sem a busca de recompensas materiais, favorecem:

a) A outras pessoas ou grupos, segundo o critério que as partes concordarem em que será benéfico ao assistido, e independente da não busca de recompensas, também ao agente pró-social.

b) A metas sociais objetivamente positivas; e que aumentam a probabilidade de gerar uma reciprocidade positiva de qualidade nas relações interpessoais ou sociais consequentes, melhorando a identidade, criatividade e iniciativa dos indivíduos ou grupos implicados (Roche, 1991):

1. Ajuda física: Conduta não verbal que procura assistência a outras pessoas para cumprir um determinado objetivo, Criar consciência de pecado, necessidade, e de alternativa diferente, e da possibilidade de mudança: Só ajuda se previamente estiverem de acordo.

2. Serviço físico: Conduta que mostre que o auxílio vem de Deus, e não de seus canais que somos nós, nem depende da bondade humana nos receptores e agentes, e que conclui com a aprovação ou satisfação destes: Não compromete nivelação ou méritos do outro com a ajuda que receberá.

3. Dar e compartir: Entregar objetos, alimentos ou possessões a outros, perdendo sua propriedade ou uso: Na Pró-socialidade o ato de dar implica que com ele vai parte de nossa vida que não esperamos que retorne a nós. É como “morrer a si mesmo”. O ato de “mais vale dar que receber” se converte em uma real encarnação divina em nós.

4. Ajuda verbal: Explicação ou instrução verbal ou compartir idéias ou experiências vitais, que são úteis e desejáveis para outras pessoas ou grupos na consecução de um objetivo: O Objetivo deve ser por acordo, numa atitude não de superioridade, e sim de empatia, levando às pessoas a ver claramente a necessidade ou raiz dela, para estabelecerem o Objetivo. Examinar os objetivos da pessoa ou grupo receptor, demonstrando que os desejos e as nossas vontades já corrompidos podem não ser compatíveis com o melhor para eles, e da Sociedade.

5. Consolo verbal: Expressões verbais para reduzir tristeza de pessoas afligidas ou em emergências e aumentar o seu ânimo: Não se trata de bajulação ou de falar o que o outro deseja ouvir, senão aquilo que verdadeiramente venha a curar as tristezas interiores, a desesperação, e o desânimo. Trata-se de um agir como ‘profetas’ de Deus. Não fala o que não estivermos facultados a dizer; preferentemente ficaríamos calados, expressando empatia e escuta profunda antes que loquacidade que não expressa fidelidade ao princípio da vida que deve nortear toda ação.

6. Confirmação e valorização positiva do outro: Expressões verbais para confirmar o valor de outras pessoas ou aumentar a auto-estima das mesmas, incluso diante terceiros. (Interpretar positivamente condutas de outros, se desculparem quando necessário, interceder quando a pessoa ou grupo carece em absoluto de recursos para isto, mediante palavras de simpatia, elogio e motivação, ou intervenção acordada entre as partes). O Agente Pró-social cristão é um sacerdote ou pastor, um mediador, com ou sem título, e com ou sem soldo, e como tal, está do lado dos pobres, dos que sofrem sem qualquer apoio suficiente e adequado, dos injustiçados, da mulher, dos órfãos, dos estrangeiros, e dos proscritos ou exilados injustamente.

7. Escuta profunda: Condutas metaverbais e atitudes de atenção que expressam acolhida paciente, porém ativamente orientada aos conteúdos expressados pelo interlocutor em uma conversação. O Agente Pró-social cristão não faz proselitismo, nem tenta convencer a respeito de idéias e conceitos. Nada fará sem acordo entre as partes. É um que põe o ombro para ouvir, muito mais que para falar.

8. Empatia: Condutas verbais que, partindo de um esvaziar-se voluntário de conteúdos próprios, expressa compreensão cognitiva dos pensamentos do interlocutor ou emoção de estar experimentando sentimentos similares aos deste. O Agente Pró-social cristão não se apresenta como “pastor”, profeta, mestre ou profissional, senão como um membro do mesmo corpo ou massa comunitária, que se alegre e sofre juntamente com os outros, quer dizer, um amigo.

9. Solidariedade: Condutas físicas ou verbais que expressam aceitação voluntária de compartir as conseqüências, especialmente penosas da condição, estado, situação ou fortuna de desgraça de outras pessoas, grupos ou países. “Nunca digas a alguém que a sua casa está caindo, se não és capaz de ir com ele a levantá-la” (parafraseando a Margarita Palau de Pujol (irmã de Luis), meus pastores no primeiro Seminário Teológico).

10. Presença positiva e unidade: Presença pessoal que expressa atitudes de proximidade psicológica, atenção, escuta profunda, empatia, disponibilidade para o serviço, a ajuda e a solidariedade para com outras pessoas e que contribua ao clima psicológico de bem-estar, paz, concordância, reciprocidade e unidade num grupo ou reunião de dois ou mais pessoas. “O coração do sábio está na casa onde há luto, mas o do tolo, na casa da alegria” (Ecl.7:4. N.V.I.).

A nossa privação relativista de prazeres e privilégios outorgados pelos homens, não representa masoquismo nem hedonismo psicológico ou messiânico, senão encarnação de Deus pelo bem e a salvação dos seres humanos.

Se desejar conhecer mais de nossa proposta pró-social em favor da mudança libertadora das pessoas, a identidade individual e a realização pessoal dos que sofrem e desejam mudar, acesse a: www.titoberry.com.br e baixe grátis os opúsculos Liberdade e Aceitação.

Sobre Este Autor

Tito Berry é Escritor pertencente à SADE: Sociedade Argentina de Escritores, matrículo 7062, membro de ALEA: Amigos das Letras e as Artes e editor em A.Q.P. Academia de Qualificação Pró-Social, primeira escola de ensino da prossocialidade no Brasil: www.titoberry.com.br

Postar uma Resposta